Filme Animado · Mangá · Sugestão

[Filme Animado e Mangá] Kotonoha no Niwa

Também conhecido por “The Garden of Words” (O Jardim das Palavras).


O diretor e criador do filme Kotonoha no Niwa é o famoso Makoto Shinkai, diretor e escritor de outros filmes animados famosos, como “Your Name.” e “5 cm por Segundo”.

O filme apresenta o relacionamento entre Takao Akizuki e Yukino Yukari. Ele, um garoto de 15 anos, que desenha e faz sapatos, desencorajado pelos adultos ao seu redor. Ela, uma mulher misteriosa que, aos poucos, descobrimos tratar-se de uma professora da escola do rapaz.
Takao Akisuki é um estudante que, em todos os dias chuvosos, desce do metrô que o levaria a sua escola para ir até um parque no distrito de Shinjuku.
Lá, em um banco de um jardim com pergolado, ele desenha modelos de sapatos enquanto cabula suas primeiras aulas.

Animação da CoMix Wave Films
Animação da CoMix Wave Films

Um dia, Takao encontra uma mulher em seu refúgio. Ambos ficam meio encabulados com a presença um do outro. E é Takao quem propicia o primeiro intercâmbio entre eles: quando sua borracha cai no chão, Yukino a devolve. Ao agradecer, Takao solta aquela típica frase que nos lembra uma cantada: “nós já nos vimos antes?”. Yukino diz que não, mas, depois, notando o uniforme do garoto, reconhece-o como um dos alunos da escola para a qual ela não queria mais voltar. Assim, ao ir embora do parque, a professora solta um enunciado curioso: um trecho de um tanko (poema tradicional japonês), atiçando a curiosidade do garoto em decifrar o que ela quis dizer com isso.

“Como um vago trovão…
No céu nublado…
Trazendo chuva.
Se for, me faz companhia?”

Citação do Mangá

E é assim que, toda vez que chove, ambos acabam rumando para aquele mesmo local. Sendo através dessas idas e vindas em dias chuvosos que eles vão se conhecendo e desvendando os motivos que os levaram até aquele parque.

Animação da CoMix Wave Films

É uma história pra vida, pra pensar, pra compreender tudo aquilo que envolve nossas escolhas e decisões. História que revela as excentricidades de duas pessoas aparentemente diferentes, mas tão próximas e parecidas entre si, que só precisavam de um pequeno encorajamento para continuarem trilhando seus caminhos.
Metaforicamente, O Jardim das Palavras, nos mostra, através do sapato, que ambos estão aprendendo e/ou recomeçando a “andar”.

Um pouco sobre o mangá:

O mangá* seinen** Kotonoha no Niwa é uma adaptação da mangaká (autora e artista de mangás) Midori Motobashi. O filme animado estreou no 2º trimestre de 2013 e Motobashi pediu permissão para adaptar a obra ao seu próprio criador. Depois de publicar os 07 (sete) capítulos do mangá na revista Afternoon, o compilado saiu em dezembro de 2013 pela editora Kodansha.
Já aqui, no Brasil, a Editora New Pop foi quem publicou a história completa de O Jardim das Palavras em um único volume, utilizando papel offset, com capa cartonada e algumas páginas coloridas.
Só pecou em relação à revisão do texto. Um dos erros que mais chamam à atenção é a falha referente ao nome do personagem principal: Akisuki muda para Akasuki em alguns balões do mangá. A faixa etária indicada pela New Pop é de 16 anos, creio que por ter assuntos complexos, como bullying, violência, relacionamento entre professora-aluno implícito.

*Mangá é o termo utilizado para identificar os quadrinhos japoneses, mas até mesmo os quadrinhos de outras nacionalidades podem ser incluídos nesta designação, caso tiverem traços e composições característicos, ou seja, o estilo próprio dos quadrinhos japoneses.

**Seinen é um dos termos que identificam a classificação de um mangá em função de sua demografia. Existem outros, como: shoujo, shounen, josei e kodomo. Se um mangá foi publicado em revistas que visam atingir o público jovem masculino, ele será classificado como Seinen. Mas eu sou uma garota jovem e leio mangás de diversos tipos, ok?! Ou melhor, já sou uma mulher adulta… Às vezes, não me lembro de já ter passado dos trinta… Mas ainda assim, sem preconceito, viu?!

Fontes:
https://www.mangaupdates.com/series.html?id=92377
https://en.wikipedia.org/wiki/The_Garden_of_Words
https://www.animenewsnetwork.com/encyclopedia/manga.php?id=16336
http://www.imdb.com/title/tt2591814/companycredits?ref_=tt_dt_co
https://en.wikipedia.org/wiki/Category:Anime_and_manga_terminology
My Authorship · Poema

[My Authorship] Poema “Desembrulhando o Presente”

Passado é lástima…

O passado toma conta do presente.
Presidiária dos porões de minha mente.

Anfitriã da minha vida, devo virar.
As rédeas perdidas, irei recuperar.

…Presente é dádiva!

Revelarei de uma vez o meu segredo.
Receberei o meu presente de grego.

Aceitarei esta bendita e celeste tramoia.
Domarei de uma vez o meu Cavalo de Troia.

Pocket Book · Quote

“Mrs. Jo Bhaer” se dirige a “Dolly” e “Stuffy” (personagens) em “Jo’s Boys” de Louisa May Alcott (Bantam Classic)

“…all the more honour to those who are brave and wise enough to resist public opinion, and the easy-going morals of bad or careless men and women. Think of the persons whom you respect most, and in imitating them you will secure the respect of those who look up to you. I’d rather my boys should be laughed at and cold-shouldered by a hundred foolish fellows than lose what, once gone, no power can give them back – innocence and self-respect. I don’t wonder you find it ‘hard to toe the mark’, when books, pictures, ball-rooms, theatres, and streets offer temptations; yet you can resist, if you try.”

Pocket Book · Quote

“Mrs. Jo Bhaer” se dirige a “Dolly” e “Stuffy” (personagens) em “Jo’s Boys” de Louisa May Alcott (Bantam Classic)

“Forgive me for troubling you, my dear lads, and remember my little preachment. I think it will do you good, though I may never know it. Chance words spoken in kindness often help amazingly; and that’s what old people are here for – else their experience is of little use.”

Pocket Book · Quote

“Mrs. Jo Bhaer” se dirige a “Dolly” e “Stuffy” (personagens) em “Jo’s Boys” de Louisa May Alcott (Bantam Classic)

“My dear boys, if I didn’t love you, I would not say these things. I know they are not pleasant; but my conscience won’t let me hold my peace when a word may keep you from two of the great sins that curse the world and send so many young men to destruction. You are just beginning to feel the allurement of them, and soon it will be hard to turn away. Stop now, I beg of you, and not only save yourselves but help others by a brave example. Come to me if things worry you; don’t be afraid or ashamed; I have heard many sadder confessions than any you are ever likely to bring me, and been able to comfort many poor fellows, gone wrong for want of a word in time.”